Categorias
Passeios

Lanterna: O Farol de Gênova símbolo da cidade

 

O farol de Gênova, ou melhor, a “Lanterna“, como é chamada, é o símbolo da cidade (e aqui do site também!). De fato, ao chegar a Gênova, seja de navio ou de carro, é muito provável que você logo o veja.

A construção atual data de 1543, mas nos primeiros anos do século XII já existia uma estrutura muito semelhante que servia de torre de vigia (para sinalizar a chegada de navios suspeitos) e farol. Para que se tenha uma ideia, em cima dela queimavam fardos para indicar a entrada do porto aos navegantes.

O farol de Gênova recebeu até mesmo a visita de Leonardo Da Vinci que, junto com Ludovico il Moro, foi lá para estudar o layout das fortificações genovesas.

Enfim, embora visitá-la e subir todos os degraus até o terraço não seja muito simples, todo o esforço é recompensado pela vista que se tem lá de cima. Além disso na base da torre funciona um pequeno museu multimídia de Gênova e sua província.

LEIA TAMBÉM  Aquário de Gênova: Dicas práticas para visitá-lo

Lanterna de Genova

Como visitar o Farol de Gênova

Antes de tudo, o Farol de Gênova fica aberto para visitação apenas nos sábados, domingos e feriados. Há também algumas aberturas extraordinárias, como no dia 18 de maio, por ocasião da Noite dos Museus (a última entrada é às 21h30). Entretanto, a atração fica fechada na Páscoa, nos dias 25 de dezembro e 1º de janeiro. Além disso, antes de decidir visitar a Lanterna, informe-se sobre as condições meteorológicas em Gênova, umas vez que em caso de tempo muito ruim, as visitas ao Farol não acontecem.

Você pode comprar seu ingresso online antecipadamente (para evitar longas filas) ou diretamente no local na bilheteria do museu. De fato, no máximo 25 pessoas podem entrar no farol por vez.

Crianças de 0 a 6 anos e pessoas com deficiência acompanhadas podem entrar gratuitamente.

Veja abaixo a disponibilidade.

Dicas para visitar a Lanterna

Antes de visitar o Farol de Gênova, há certas coisas que você deve saber. Primeiramente, saiba que é necessário enfrentar 172 degraus para chegar ao terraço. Por isso, a visita não é possível para quem tenha dificuldades em se locomover ou problemas cardíacos.

Além disso, é bom tomar as seguintes precauções.

  • Use calçados adequados e evite chinelos.
  • Não é permitido entrar com animais de estimação.
  • Todas as crianças devem estar sempre acompanhadas por um adulto.
  • Escolha, sempre que possível, visitar esta estrutura em dias que não sejam particularmente frios (especialmente se estiver viajando com crianças), pois é uma área bastante exposta aos ventos.

Como chegar ao Farol de Gênova

Como chegar ao Farol de Gênova

É possível chegar ao Farol de Gênova apenas a pé, percorrendo o calçadão que começa no estacionamento próximo do Terminal Marítimo. Você pode estacionar gratuitamente por 2h30, se tomar um café ou comprar algo em uma das lojas do pequeno shopping. Serão cerca de 800 metros de caminhada pelo cais do Porto de Gênova.

 Se você vem de outro lugar de Gênova usando transporte público, outra possibilidade é descer nas paradas “Buozzi 2 / Metrô Dinegro” ou “Dinegro / Terminal Traghetti”. Depois, é só atravessar a estrada na direção do porto e seguir até o Terminal Marítimo, onde começa a caminhada. Saindo da galeria comercial do Terminal Marítimo, de fato, você encontrará no perímetro do estacionamento algumas linhas brancas e vermelhas com o símbolo da Lanterna que o levará, com segurança, ao início da caminhada. Você logo verá um grande painel vermelho com um desenho de Gênova e a escrita “LANTERNA”.

Categorias
Passeios

Aquário de Gênova: Dicas práticas para visitá-lo

 

O Aquário de Gênova é uma das atrações imperdíveis da cidade, principalmente para quem viaja com crianças. Veja todas as dicas para visitá-lo!

 

Antes de mais nada, o Aquário de Gênova é o maior da Itália e um dos mais interessantes da Europa. Ele foi projetado pelo arquiteto italiano Renzo Piano e construído em 1992.  Além disso, em uma área de 27.000m² é possível ver cerca de 12 mil animais marinhos provenientes de diferentes partes do mundo.  

Em síntese, o Aquário é composto por 63 tanques onde foram recriados os habitats naturais de 600 espécies, das mais raras às mais comuns como golfinhos, pinguins e tubarões, mas também medusas, focas e peixes tropicais.

 

Como chegar ao Aquário de Gênova

Vamos “começar pelo começo”. Digamos que você esteja em Gênova só de passagem ou esteja fazendo um  bate e volta a partir de outra cidade. Caso queira ir direto ao aquário, essas são as dicas:

Chegando de trem/comboio

A estação ferroviária mais próxima ao Aquário de Gênova é a Genova Piazza Principe. Ela fica a cerca de 15 minutos a pé. Ao sair da estação, siga as indicações para o Porto Antigo. Entretanto, se você não quiser caminhar, pode pegar a linha de metrô que vai em direção a Brignole e descer na parada San Giorgio. Em 3 minutos vocês estará lá e o Aquário fica do outro lado da estrada.

Chegando de carro

Quem vem da autoestrada deve pegar a saída Genova Ovest e seguir as indicações para o centro da cidade. Você passará ao longo do porto e dirigirá por mais 3 km, até chegar ao Aquário. Há um grande estacionamento em frente ao mesmo, onde você pode deixar seu carro e pagar na saída.

o que ver em Gênova

Horários de funcionamento

  • De março a junho: das 9 às 20h (última entrada às 18h);
  • Julho e agosto: das 8h30 às 22h30 (última entrada 20h30);
  • De setembro a outubro: das 9 às 20h (última entrada às 18h);
  • De novembro a fevereiro: das 9 às 18h (última entrada 16h).

 

Ingressos para o Aquário de Gênova

Certamente o melhor modo para visitar o Aquário de Gênova é comprar o ingresso com hora marcada. Dessa forma, evita-se as longas filas que podem se formar, sobretudo na alta temporada e nos dias em que há chegadas de cruzeiros. De fato, algumas vezes podem 2 ou 3 navios fazendo escala ao mesmo tempo. Aí já viu…

Ingresso salta-fila para o Aquário de Gênova

  • Validade: 1 dia
  • Preços: 27€ (adolescentes e adultos); 23€ (idosos com mais de 65 anos); 18€ (crianças de 4 a 12 anos) 19€; bebês (0-3 anos) grátis
  • O que inclui: entrada prioritária e escolha do horário de início da visita
  • Reserva online: disponível aqui.

Outros tipos de ingressos:

 

Quando visitar o Aquário de Gênova

Sem dúvida, o melhor período para visitar o Aquário de Gênova é nos dias de semana, no primeiro horário ou no fim da tarde. Se você pode programar, então melhor optar por um dia entre segunda e sexta. Isso porque, nos fins de semana e feriados, o número de visitantes aumenta drasticamente. Afinal de contas, nestes dias visitam o aquário as famílias locais e aquelas das áreas próximas a Gênova.

Além disso, se você estiver de carro, considere que é muito mais difícil encontrar estacionamento no final de semana, sobretudo no final da manhã.

aquário de Genova
Tem pinguins

 

Quanto tempo dura a visita ao Aquário de Gênova?

A duração média da visita depende de algumas coisas. Por exemplo, o orçamento que você tem disponível, se você está com crianças e o interesse delas e seu.

Antes de tudo, se você quiser passar apenas algumas horas sem gastar muito dinheiro, recomendamos que você adquira o bilhete simples. Neste caso, a visita irá durar entre 2 e 3 horas.

Se, por outro lado, você puder gastar mais e for ficar em Gênova por mais de um dia, há um ingresso completo que inclui o passeio para observar as baleias. Tudo dura aproximadamente 6 horas.

 

Categorias
Atualidades

O desabrochar das camélias no Parque Durazzo Pallavicini

 

O desabrochar das camélias é um espetáculo incrível e que leva milhares de visitantes ao Parque Durazzo Pallavicini. Veja as datas e como visitar o parque.

Todos os anos, de meados de fevereiro a início de abril, as camélias oferecem paisagens incríveis no Parque da Villa Durazzo Pallavicini. O parque é um pulmão verde em Gênova, no bairro de Pegli. Sem dúvida, o Viale delle Camellie, com suas inúmeras cores, tons e formas, nos recebe com suas cores e seu tapete de flores para viver uma experiência única.

 

O parque e o desabrochar das camélias

O Parque da Villa Durazzo Pallavicini foi construído entre 1840 e 1846. Ele é considerado uma excelência no contexto do jardim romântico histórico italiano e europeu e possui uma das camélias mais importantes da Europa e a mais desenvolvida da Itália.

O jardim das camélias, criado em 1856, é hoje formado por uma avenida de 200m de extensão com camélias que ultrapassam os 6 metros. Sem dúvida, é um jardim de beleza extraordinária, e que conta com 150 plantas diferentes.

A visita guiada ao jardim de camélias

Todos os fins de semana, de 19 de fevereiro a 3 de abril de 2022, às 14h30, haverá visitas guiadas para ver o desabrochar das camélias. Esta visita guiada na vegetação do jardim de camélias mais importante da Itália permite que você passeie entre as plantas mais intrigantes de Villa Pallavicini, enquanto escuta curiosidades sobre as plantas.

A diretora do Parque, a arquiteta Silvana Ghigino, guiará pessoalmente os visitantes. Se falará sobre a história desta flor, sua fisiologia, e os programas que a gestão da Villa Durazzo Pallavicini tem para esta avenida que tem o título de maior e mais antigo jardim de camélias da Itália. Também se visitará as camélias do Jardim da Flora e o esplêndido exemplar de Camellia japonica Rubra simplex, que cresce acima do Grande Lago.

  • Horário: 14h30
  • Duração: 2 horas
  • Valor: 20 euros / 10 euros (crianças e adolescentes de 7-18 anos acompanhados por um adulto)
  • É necessário reservar através do site da Villa Durazzo Pallavicini

Além disso, quem reservar uma visita guiada ao jardim das camélias receberá um brinde (enquanto durarem os estoques).

Enfim, recomenda-se o uso de calçados confortáveis, bem como o uso de máscara. Além disso, é necessário apresentar o certificado de vacinação Covid-19.

 

A visita ao parque

O parque Durazzo Pallavicini abre de terça a domingo, das 10 às 18h (última entrada 16h). Você pode visitá-lo mesmo sem reservar a visita guiada para ver o jardim das camélias.

Valores dos ingressos de terça a sexta

  • 11 euros bilhete inteiro
  • 9 euros para maiores de 65 anos, deficientes e pessoas residentes no município de Gênova.
  • Crianças de 7 a 18 anos pagam bilhete reduzido (9 euros)
  • Crianças de 0 a 6 anos e os acompanhantes dos deficientes entram grátis
  • Combo família: 24 euros (2 adultos + 1 filho 7-18 anos)

Valores dos ingressos nos fins de semana e feriados:

  • 13 euros bilhete inteiro
  • 10 euros para maiores de 65 anos, deficientes e pessoas residentes no município de Gênova.
  • Crianças de 7 a 18 anos pagam bilhete reduzido (6 euros)
  • Crianças de 0 a 6 anos e os acompanhantes dos deficientes entram grátis
  • Combo família: 27 euros (2 adultos + 1 filho 7-18 anos)

 

Curiosidades sobres as camélias

Por fim, uma curiosidade sobre as camélias. Dependendo da cor, o significado da camélia transmite uma mensagem diferente. Por exemplo, rosa significa nostalgia e desejo de se encontrar. Já o vermelho declara que o coração está inflamado de paixão. Aquelas com cores mescladas são símbolo de confiança e esperança. As camélias brancas testemunham afeição profunda. Por fim, a flor dupla indica o quanto você pensa em uma pessoa, enquanto a simples indica adoração e beleza.

Alexandre Dumas dedicou o famoso romance A Dama das Camélias, publicado em 1848. Além disso, a estilista Coco Chanel amou tanto essa flor que se tornou referência constante em suas coleções.

E então, qual é a sua camélia favorita?

 

 

Categorias
Atualidades

Mostra Monet em Gênova

 

São 50 as obras expostas na Mostra Monet em Gênova, provenientes do Museu Marmottan Monet de Paris. A exposição, que poderá ser visitada até 22 de maio de 2022, acontece no Palácio Ducal, na área do Munizioniere.

Antes de mais nada, o Museu Marmottan Monet – cujo vasto patrimônio artístico é contado no decorrer da exposição – abriga o maior conjunto de obras de Monet do mundo. Elas são fruto de uma generosa doação de Michel, filho do artista, realizada em 1966 ao museu parisiense.

A exposição, com curadoria de Marianne Mathieu, historiadora de arte e diretora científica do museu parisiense, pretende reconstituir toda a parábola artística do mestre impressionista. De fato, o percurso se dá através das obras que mais interessavam a Monet, aquelas que o artista manteve em sua casa em Giverny até sua morte.

Trata-se, portanto, de uma exposição inusitada, tanto pelo amor e intimidade que emanam das obras expostas, quanto pelo cenário original e evocativo que permitirá uma viagem completamente nova ao mundo de Monet.

Enfim, os promotores e organizadores da exposição são a Fundação Palazzo Ducale per la Cultura, a Prefeitura de Gênova, a Região da Ligúria e Arthemisia.

A exposição

Dividida em 7 seções, a exposição apresenta a descoberta de obras-chave do Impressionismo e da produção artística de Monet sobre o tema do reflexo da luz e suas mudanças.

Ao entrar, o público se depara como em um exuberante jardim onírico. Nele se encontram obras como os icônicos Nenúfare, Iris, Salgueiro Chorão, as várias versões de A Ponte Japonesa, bem como sua última e mágica obra As Rosas. Mas não é só. Salgueiros, tapetes de rosas e solitárias pontes japonesas com cores impalpáveis ​​emolduram uma natureza retratada em cada momento.

Nenúfares
LEIA TAMBÉM  Euroflora 2022: A espetacular feira de flores de Gênova

 

Informações sobre a Mostra Monet em Gênova

Antes de tudo, para visitar a exposição é necessário apresentar o Green Pass (certificado de vacinação da Covid-19).

O número de visitantes é limitado, portanto recomenda-se adquirir os bilhetes com antecedência pela internet. Entretanto, também é possível adquirí-los no local. Neste caso, porém, pode ser necessário esperar na fila.

Horários

  • Às segundas-feiras, das 11 às 19h
  • De terça a quinta, das 9 às 19h
  • Às sextas, das 9 às 21h
  • Sábados e domingos, das 10 às 19h

Obs: A bilheteria fecha 1h antes

Ingressos

  • Inteiro € 15,00 (inclui áudioguia) + 1,50 de pré-venda

Enfim, você pode adquirir os ingressos para a data e local de sua escolha no site da TicketOne.

Categorias
Gastronomia

Focaccia Genovese: tradições e a receita da focaccia típica de Gênova.

 

A focaccia é parte integrante da vida quotidiana em Gênova e mantém uma ligação muito forte com a história da cidade. De fato, para os genoveses, é uma verdadeira instituição, um mito, quase um alimento sagrado! Por conter poucos ingredientes, é um produto barato. Em suma, ir a Gênova e não provar sua deliciosa focaccia equivale a não ter estado lá.

A Focaccia, também chamada Fügassa, é um produto aparentemente simples. Poderíamos dizer que nada mais é do que um pão achatado, temperado com azeite e sal. Mas com seu sabor indiscutível, é mais que isso.

Com uma cor entre o dourado e o âmbar e uma espessura que não deve ultrapassar 2cm, a focaccia de Gênova é macia por dentro e crocante nas bordas e por fora. Salgada, úmida, bem untada mas sem ser gordurosa e incrivelmente leve, esta iguaria se caracteriza por seus alvéolos bem marcado,s onde se acumulam o azeite e os grãos de sal grosso. Este é o padrão para os paladares dos genoveses que consideram a fügassa uma verdadeira e sua própria instituição, símbolo de ser e sentir-se um verdadeiro genovês.

 

A história da focaccia

A focaccia é um daqueles alimentos cuja história remonta aos tempos antigos. Já na época dos fenícios e cartagineses, na bacia do Mediterrâneo, as pessoas consumiam o Libum, um pão que pode ser considerado o ancestral da focaccia. Além disso, os gregos e os romanos preparavam um tipo de focaccia com farinha de cevada ou centeio. Essa comida era tão importante que muitas vezes se deixava como oferenda aos deuses.

Entretanto, as verdadeiras origens da fügassa genovesa, permanecem um mistério até hoje. Alguns documentos históricos já colocam a focaccia nas cozinhas genovesas do século XIV, mas não se sabe ao certo se era como aquela de hoje.

O que é certo é que, durante o período renascentista, a focaccia era uma comida muito popular, tanto que era consumida na igreja e nos casamentos. No século XVI, o bispo Matteo Gambaro chegou a ameaçar com excomunhão os fiéis se não parassem de comer durante os cultos. As pessoas comiam focaccia até durante os funerais!

A maneira de preparar focaccia em Gênova certamente mudou ao longo dos séculos, mas o que permanece é o amor dos genoveses por esta comida.

 

Quando e como comer focaccia Genovese

A focaccia genovesa é uma ótima solução para um lanche rápido, mas há muitas maneiras de apreciá-la. Por exemplo, os genoveses gostam de comê-la no café da manhã, mergulhada em um cappuccino.

Mas também encontramos a focaccia nas mesas durante o almoço ou jantar, quando é simplesmente usada como pão. Sempre nessas refeições, não é difícil encontrá-la acompanhada de queijos e frios ou então de pesto.

Enfim, também encontramos a focaccia como petisco. Nada melhor do que uma taça de vinho branco da Ligúria acompanhada de alguns pedaços de fügassa!

Focaccia e Pesto
Focaccia e Pesto do restaurante Cavour 21

Focaccias para todos os gostos

Existem diversos tipos de fugassa genovesa. Não, não estamos falando das imitações que podem ser encontradas em todo o mundo, mas dos tipos reais de focaccia produzidas em Gênova e seus arredores.

A mais famosa é certamente a focaccia de cebola. Neste caso, como o nome sugere, há fatias de cebola por cima da massa. As cebolas são primeiro cortadas em tiras muito finas e adicionadas pouco antes do final do cozimento. Outra versão muito popular é aquela com azeitonas.

No distrito de Genova Voltri, por outro lado, encontramos polenta focaccia, uma focaccia muito fina que é feita com farinha de milho.

Finalmente, indo para o leste da Liguria, você pode saborear a focaccia di Recco, um prato, de fato, bem diferente da fügassa de Gênova. A Focaccia di Recco é única, feita sem fermento e recheada com queijo fresco. Originalmente, para o recheio, utilizava-se o prescinsêua, um queijo branco típico da Ligúria, muito líquido e ácido. Entretanto, hoje em dia usa-se mais o stracchino, um produto que lembra o requeijão cremoso.

 

Receita de focaccia genovesa

Para uma focaccia alla genovese você precisa de:

  • 7g de sal
  • 200 ml de água morna
  • 1 colher de chá de açúcar
  • 12,5g de fermento biológico fresco (ou 3,5g se for o seco)
  • 325g de farinha de trigo
  • 60ml de azeite extra-virgem
  • sal grosso à gosto

Modo de preparar

Coloque o sal, a água e o açúcar em uma tigela. Adicione 1 colher de sopa de azeite e metade da farinha de trigo. Misture bem, então esfarele o fermento e adicione-o à massa. Misture bem por dois a três minutos. Em seguida, adicione o restante da farinha e sove a massa por mais 8 minutos, até que fique homogênea. O resultado é uma massa pegajosa.

Despeje 25ml de azeite na assadeira (a quantidade depende de sua preferência, mas a assadeira deve estar muito bem untada). Coloque a massa em uma superfície enfarinhada e sove mais um pouco. Modele-a formando um retângulo e coloque-a na assadeira. Pincele o topo com azeite. A massa não é coberta com um pano ou papel alumínio, por isso é muito importante colocar o azeite por cima da massa.

A massa agora deve descansar por cerca 1h/1h30, mas depende da temperatura. No verão 1h é suficiente, mas nos meses mais frios é melhor deixar crescer por 1h30. A massa estará ok quando dobrar de volume.

Quando a massa crescer, unte mais um pouco a assadeira e espalhe a massa. Use um pouco de força, porque você tem que empurrar o ar para fora. Quando tiver espalhado a massa por toda a assadeira, pincele-a novamente com azeite. Em seguida, deixe a massa crescer por mais 30 minutos.

Se tudo correr bem, a massa terá crescido bastante. Polvilhe a massa com sal grosso à gosto. Em seguida, faça muitos furos na massa com os dedos. Despeje 25ml de azeite sobre a massa (se achar muito, pincele bem a massa com azeite). A massa deve agora crescer uma última vez por mais 30 minutos.

Antes da focaccia ir ao forno, polvilhe a parte superior  com água. Asse por 15 minutos em forno pré-aquecido a 200ºC. Quando estiver bem, dourada, retire a focaccia do forno e coloque-a sobre uma grelha ou uma bancada de madeira/tábua de cortar. Deixe a focaccia esfriar um pouco e então se delicie com essa maravilha!

 

Salve a receita no Pinterest!

Categorias
Curiosidades

O Festival de Sanremo

O Festival de Sanremo é, sem dúvida, o concurso musical mais famoso e tradicional da Itália. Ele lançou a carreira de cantores italianos, hoje famosos em todo o mundo, como Andrea Bocelli, Zucchero, Eros Ramazzotti e Laura Pausini, só para citar alguns.

O primeiro Festival de Sanremo aconteceu em 1951 e desde então virou um evento anual. Neste ano de 2022 ele vai acontecer entre os dias 1 e 5 de fevereiro.

Sem dúvida, os italianos têm uma forte ligação com este festival e, durante os dias do concurso, o assunto nas mesas de bar e roda de amigos não é outro. O Festival de Sanremo é um evento de mídia tão grande que muitos programas de TV e rádio mudam sua sede temporariamente para Sanremo, para que possam transmitir ao vivo do festival. Sem falar que os comerciais começam a bombardear a programação dos canais Rai.

 

Festival de Sanremo: como tudo começou

Antes de mais nada, sempre gostaram de organizar concursos nacionais de canto. Nos anos 20 e 30 tentaram organizar algo do tipo em Pescara e Rimini, mas sem muito sucesso.

Posteriormente, após a 2ª Guerra Mundial, surgiu a ideia de revitalizar a economia e a reputação de Sanremo por meio de um festival anual de música. Além disso, a cidadezinha litorânea da Ligúria era um destino popular de férias para os ricos das cidades norte da Itália. Assim, durante o verão de 1950, o administrador do Cassino de Sanremo, Piero Bussetti, e o maestro da orquestra da RAI, Giulio Razzi, decidiram lançar um concurso de canções inéditas.

Oficialmente chamado “Festival della Canzone Italiana” (Festival da Canção Italiana), a primeira edição ocorreu no Cassino de Sanremo nos dias 29, 30 e 31 de janeiro de 1951. A final foi transmitida por uma estação de rádio e estiveram presentes apenas três participantes. Foram eles Nilla Pizzi, Duo Fasano e Achille Togliani, que cantaram 20 músicas no total.

Em 1977 a sede do festival passou para o Teatro Ariston de Sanremo, onde acontece até hoje.

festival de sanremo
Andrea Bocelli no Festival de Sanremo de 1994

 

Uma oportunidade para muitos artistas

O festival de Sanremo divide-se em duas categorias. Primeiramente, a chamada Big, da qual participam os artistas já consagrados. A outra é a categoria Giovani (jovens), que inclui nomes ainda desconhecidos.

Para participar da categoria Giovani, o candidato deve ter entre 15 e 33 anos e apresentar uma música inédita. Além disso, não pode ter participado de outras edições do Festival de Sanremo. A  inscrição se faz online, através do site da Rai no período estabelecido. Após o envio da candidatura através da apresentação do vídeo, texto e música da canção pelo artista ou gravadora, os artistas são ouvidos em duas fases. Na primeira fase, a comissão avalia todas as músicas inscritas. Aquelas escolhidas levarão os artistas a se apresentar ao vivo diante da comissão musical. Esta, por sua vez, escolherá quem vai participar da categoria.

Este ano, serão 25 artistas competindo pelo grande prêmio. No entanto, durante os primeiros 20 anos de festival, cada música era cantada por dois artistas diferentes, para enfatizar que se tratava de um concurso de música e não de um prêmio para o melhor intérprete.

Enfim, muitas canções apresentadas durante o festival tornaram-se sucessos internacionais. Por exemplo, Nel blu dipinto di blu (Volare), de Domenico Modugno (1958), L’italiano de Toto Cutugno (1983), Una storia significativa de Eros Ramazzotti (1985) , La solitudine de Laura Pausini (1993).

festival
Laura Pausini vence o Festival de 1993 na categoria Giovani

 

Você sabia que também já participaram do Festival de Sanremo artistas brasileiros, como Toquinho e Roberto Carlos? Este último foi único brasileiro a vencer o festival, no ano de 1968, com a música Canzone per Te.

 

 

O Festival de Sanremo 2022

Este ano, o festival retorna a ser no início de fevereiro, entre os dias 1 e 5, como normalmente ocorreu nas edições passadas. Em 2021, entretanto, por causa de impasses por causa da pandemia, o Festival de Sanremo acabou sendo realizado em março.

Enfim, mesmo se você não estiver na Itália, pode assistir ao Festival pela Rai Internacional ou pela RaiPlay. De qualquer forma, enquanto ainda não sabemos quem vence o festival 2022, sugiro que vejam o vídeo do vencedor da edição 2021, o grupo Maneskin. A música se chama “Zitti e Buoni” e tornou-se conhecida em diversos países do mundo.

Categorias
Curiosidades

Luca: O novo filme da Pixar se passa na Itália!

Luca, o novo filme da Pixar-Disney, irá fazer você viajar para a Itália. A animação se passa em Porto Rosso, uma colorida vila costeira na costa da região da Ligúria.

Na verdade, Porto Rosso não existe realmente, mas os artistas se inspiraram nas cidades litorâneas da região, como Camogli, Portofino, Tellaro e, claro, as Cinque Terre.

O novo filme da Pixar conta a história de Luca que, junto com seus amigos, desfruta de esplêndidas férias de verão numa cidadezinha da Itália. Entre praias e águas cristalinas, o menino viverá momentos inesquecíveis que o levarão até as profundezas do Mar Tirreno. Além disso, nessas férias ele faz amizade com Alberto, com quem compartilha muitas aventuras. Luca, porém, esconde um segredo: na verdade, ele é uma criatura marinha e revelar sua verdadeira identidade pode colocar em risco seu mundo subaquático.

novo filme da pixar
Luca e Alberto enquanto comem um prato de macarrão com pesto, prato típico da Ligúria!

 

Uma infância que inspirou o novo filme da Pixar

Luca é dirigido por Enrico Casarosa, um italiano que nasceu em Gênova, mas que mora nos Estados Unidos há 30 anos.

Para criar Luca ele se inspirou em sua infância na Itália e, sobretudo, nos verões passados ​​na Ligúria. “Esta é uma história profundamente pessoal, inspirada por minha experiência com meu melhor amigo de infância, Alberto” – explicou Casarosa em uma entrevista ao jornal La Repubblica.

“A saudade da infância abrange uma grande parte do filme, a saudade daquelas amizades onde você se encontra diferente e que te levam onde você não espera”. Enrico e Alberto nunca perderam contato um com o outro. De fato, Enrico diz: “Conversar com ele ao longo dos anos me ajudou a repensar a amizade. Como é preciso separar para crescer.”

 

Veja o trailer de Luca

Sem dúvida, o novo filme da Pixar tem todos os ingredientes para ser mais uma maravilhosa animação!

Categorias
Gastronomia Receitas

Pansoti: uma das massas típicas da Ligúria

Pansoti é uma massa recheada típica da Ligúria. Lembrando muito os tortellini, é um daqueles clássicos que você deve experimentar quando estiver em Gênova ou outra cidade da região.

Os pansoti geralmente têm uma forma triangular e são recheados com uma mistura de ervas típicas da Ligúria. Por exemplo, usa-se muito borragem e acelga. Esta massa não é muito antiga, pois os pansoti foram mencionados pela primeira vez em 1931 em um guia de culinária local como “pansoti cu a salsa de nuge“ (pansoti com molho de nozes). Posteriormente, em 1961, os pansoti tornaram-se muito populares graças ao famoso restaurante Manuelina, que fica em Recco.

 

Por que se chamam pansoti?

Existem diferentes versões sobre a origem do nome “pansoti”. Uma delas afirmava que o nome vem da palavra em dialeto lígure pansa, que significa barriga. De fato, a parte recheada do pansoti parece uma barriga cheia. Outra versão afirma que o nome vem do sobrenome do general francês Pansoit. Ele viveu na Ligúria no final do século XIX e provavelmente os experimentou ou até mesmo os inventou.

Receita

Gostaria de tentar preparar os pansoti em casa? Então veja abaixo a receita.

 

Ingredientes

Para a massa
  • 500 g (5 xícaras) de farinha de trigo peneirada
  • 2 ovos
  • 4 colheres de sopa de vinho branco seco
  • água morna
  • sal à gosto

 

Para o recheio
  • 200g de folhas de espinafre
  • 400g de acelga
  • 200g de borragem
  • 200g de endívia
  • 2 colheres de sopa de ricota
  • 3 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
  • 1 ovo
  • 1 colher de sopa de folhas frescas de manjerona picadas
  • noz-moscada
  • Sal e pimenta do reino à gosto

 

Modo de preparar

Coloque a farinha na superfície de trabalho e faça um buraco no meio. Quebre os ovos dentro deste burado e bata levemente com um garfo. Em seguida, acrescente o vinho branco, a água, uma pitada de sal e comece a misturar os líquidos com o garfo. Vá misturando a farinha aos poucos e massa irá endurecer.

Enfim, quando a massa estiver homogênea, comece a amassar, batendo e pressionando várias vezes com a parte inferior da palma da mão. Se ficar muito seca, adicione um pouquinho de água, molhando apenas as palmas das mãos. Repita, se necessário, até obter uma massa lisa e elástica (cerca de 10 minutos amassando). Você pode verificar se está elástica o suficiente, enfiando um dedo na massa. Se ela voltar ao seu formato anterior e o orifício quase desaparecer, está no ponto. Cubra a massa com um pano úmido e deixe repousar por meia hora.

 

Agora prepare o recheio

Limpe as folhas e ferva-as em água ligeiramente salgada durante 5 minutos, depois escorra, esprema bem (se estiverem muito quentes, passe-as por água fria) e pique-as bem finas.

Em seguida, coloque as folhas em uma tigela grande, acrescente o ovo, a ricota, o queijo parmesão e a manjerona picada. Então adicione uma pitada de noz-moscada e mexa com cuidado. Prove e adicione sal e pimenta do reino à gosto.

 

Preparação dos pansoti

Divida a massa em quatro bolinhas. Pegue uma de cada vez e deixe a outra sob o pano úmido (se a massa secar será mais difícil de enrolar e dobrar).

Com um rolo de macarrão ou com a ajuda de um cilindro de massa, abra a massa bem fina e corte em quadradinhos de 7 a 8cm.

Coloque no centro de cada quadrado uma colher de recheio. Molhe as laterais do quadrado com um pouco de água e dobre a massa na diagonal, obtendo um triângulo. Pressione com os dedos nas bordas para selar o recheio dentro da massa. Depois que fechá-los, tente eliminar o ar de dentro do pansoto, pressionando do centro para os lados. Junte as bordas do triângulo (aquelas ao longo da diagonal) e pressione com nossos dedos para selá-las.

Enfim, coloque cada pansoto sobre uma superfície polvilhada com farinha de trigo e polvilhe mais um pouco sobre eles.

pansoti

Cozimento

Coloque a água para ferver e adiciona um pouco de sal. Assim que ferver, cozinhe os pansoti epor 8 a 10 minutos, sempre dando uma olhada neles! De fato, os raviólis caseiros são sempre imprevisíveis, e se cozinharem demais vão se abrir. Para ter certeza de que estão prontos, experimente um pouco da pontinha da massa. Se estiver al dente, os pansoti estão prontos.

Por fim, agora é só temperar seus pansoti com molho de nozes ou manteiga e queijo parmesão.

Categorias
Informações Gerais

Savona

Savona é uma cidade italiana localizada na parte oeste da região da Ligúria, norte da Itália. Ela é também a capital da província (abreviação SV).

A cidade tem um dos principais portos da Itália e é uma das paradas de cruzeiro no Mediterrâneo. Além disso, Savona costumava ser uma das principais sedes da indústria siderúrgica italiana. Um de seus mais célebres ex-habitantes foi o navegador Cristóvão Colombo, que cultivou terras na área enquanto fazia crônicas de suas viagens. A “casa de Colombo”, situada nas colinas de Savona, ficava entre as hortaliças e as árvores frutíferas. É uma das várias residências na Ligúria associadas ao navegador.

 

Porto de Savona
Porto de Savona

Onde fica Savona no mapa da Itália?

Como escrito anteriormente, Savona está localizada no norte da Itália. Além disso, ela é uma das principais cidades da Ligúria, tanto que ela é uma capital de província.

A cidade dista cerca de 50km de Gênova e 120km da fronteira com a França.

Informações sobre o clima

Savona tem um clima mediterrâneo, classificado como quente e temperado, com mais chuvas no inverno do que no verão.

Certamente o mês mais quente do ano é julho, quando a temperatura média máxima fica em torno de 28ºC. Por outro lado, aquele mais frio é janeiro, quando as temperaturas médias ficam em torno de 6ºC.

Enfim, dê uma olhada na previsão do tempo abaixo. Sem dúvida pode ser útil no planejamento de sua viagem.



Clique AQUI para ver a previsão do tempo em Gênova nos próximos 15 dias.

Categorias
Atualidades

Ma che vuoi? Gesto italiano com a mão ganha emoji

O famoso gesto italiano com a mão fechada ganhou um emoji no WhatsApp. Os italianos agora vão poder expressar o bom e velho “ma che vuoi” também através de mensagem!

Na última atualização do aplicativo mais de cem novos emojis foram adicionados. Um deles é o gesto italiano com a mão e que significa “che vuoi?“, ou seja, “o que você quer?” Para os italianos, provavelmente é uma dádiva divina poder usar esse gesto frequente em através de mensagem também. Viva a tecnologia!

 

gesto italiano

LEIA TAMBÉM  Fiat 500: a história de um ícone

O significado deste gesto italiano

No livreto Supplemento al dizionario italiano (suplemento do dicionário italiano), Bruno Munari coletou uma série de gestos italianos, que muitas vezes tomam o lugar de uma palavra ou frase. Ele escreve sobre este gesto:

“Le estremità delle cinque dita si riuniscono rapidamente e formano un cono col vértice em alto. La mano può restare ferma o essere scossa più o meno velocemente, secondo che la domanda é fatta con gentilezza ou con impazienza. Molto usato a Napoli. “

Traduzindo: as pontas dos cinco dedos se juntam rapidamente e formam um cone com a ponta para cima. A mão pode ser mantida imóvel ou movida para a frente e para trás, rapidamente ou não. Isso depende se a pergunta está sendo feita com delicadeza ou impaciência. Muito utilizado em Nápoles.

No Supplemento al dizionario italiano você encontrará muitos outros gestos italianos. O livreto está à venda na Feltrinelli, entre outras.

 

Ainda mais emojis

Além do gesto de mão, com a nova atualização você pode substituir ainda mais palavras por um emoji em seus aplicativos. Por exemplo, há ainda uma azeitona, uma panela de fondue, um pimentão verde, noivos e mamães/papais com seus filhos nos braços.

Estamos curiosos: quais emojis italianos você usa com mais frequência? A bandeira italiana? Ou a fatia de pizza, o prato de espaguete ou os dois copos de prosecco?